Planeamento, gestão e controlo de tesouraria

Um dos mais importantes desafios do departamento financeiro das empresas é, sem dúvidas, o controlo de tesouraria.

Como tal, para que uma empresa possa cumprir todas as obrigações financeiras, a sua gestão exige um planeamento eficaz e uma grande capacidade de adaptação às flutuações do mercado.

Controlo de tesouraria: o que é?

O controlo de tesouraria é, nada mais nada menos, do que a criação de políticas e procedimentos que asseguram que a empresa gere o risco financeiro com sucesso.

Contudo, devido à rápida mudança da atividade económica dos mercados mundiais, são muitos os diretores financeiros que pedem aos profissionais da área de tesouraria uma melhoria do desempenho financeiro das empresas.

O ritmo de crescimento e regulação aumenta de forma galopante e, se não for feito o devido acompanhamento e controlo financeiro, poderão surgir deficiências na performance empresarial que poderão colocar em causa toda a atividade empresarial.

Os riscos são muitos: pagamentos elevados de taxas de juros, perda de dinheiro em câmbios fora de timing, pagamento de impostos desnecessários, falta de liquidez financeira, perda de flexibilidade de crédito e, no pior cenário possível, uma situação de falência.

5 dicas para um controlo de tesouraria mais eficaz

Como forma de ajudar os profissionais da área de tesouraria a melhorar o desempenho das suas tarefas, reunimos 5 dicas úteis que têm em conta algumas tendências da área.

1. Centralizar a função

O modelo de gestão ideal centraliza o departamento de tesouraria como forma de melhorar a definição de políticas, a tomada de decisão e a respetiva execução.

A consolidação do departamento de tesouraria a nível central ajuda os gestores a construir uma visão agregada dos fluxos de caixa e posições de risco, algo necessário para otimizar os investimentos e minimizar possíveis riscos financeiros.

Além disso, mediante uma centralização do departamento de tesouraria, há uma maior rapidez e rigor necessários para aproveitar ao máximo as atividades em mercados voláteis, ajudando a identificar oportunidades financeiras ou, por outro lado, a evitar perdas desnecessárias.

2. Fortalecer a liderança

O fortalecimento da liderança no controlo de tesouraria exige uma revisão minuciosa das políticas e dos processos para as atividades principais, seguidas de testes para garantir o correto funcionamento.

A realização de testes, principalmente de stress, é imprescindível para ajudar os funcionários a desenvolver a prontidão operacional e a capacidade de negociar nos diferentes mercados.

3. Melhorar a gestão de tesouraria

A evolução tecnológica e o crescente desenvolvimento de softwares de gestão trouxe ao mercado uma variedade de ferramentas sofisticadas que facilitam a função de tesouraria.

Contudo, há ainda empresas que continuam a resistir à utilização de softwares nos seus processos operacionais com receio dos custos e formação profissional que isso implica.

Em contrapartida, a opção continua a ser recorrer a planilhas e ficheiros partilháveis que, além de estarem em constante alteração e carecerem de maior segurança, aumentam as probabilidades de erro humano.

Não há dúvidas: as empresas que pretendem otimizar ao máximo a gestão do seu negócio devem conseguir adaptar-se à evolução tecnológica como fator diferencial.

4. Aumentar a precisão da previsão do fluxo de caixa

Por norma, em qualquer empresa, as previsões de fluxo de caixa demonstram-se incompletas, carecendo de informações. E ainda que não exista uma fórmula milagrosa, existem algumas tarefas que os profissionais de tesouraria podem realizar a fim de melhorar a precisão da previsão do fluxo de caixa.

Fazer análises contínuas às previsões do fluxo de caixa, acompanhar os negócios da empresa em todas as regiões onde atuam, antecipar cenários de risco, recorrer a um software de gestão que atue como um sistema de alerta e permita uma monitorização financeira constante… Tudo isto ajuda a manter um controlo de tesouraria transversal e completo.

5. Estabelecer um plano estratégico

O objetivo de qualquer planeamento estratégico deve ser delinear estratégias articuladas com táticas de apoio e recursos alinhados para atingir os objetivos empresariais definidos. Só assim será possível gerir os recursos necessários de forma eficaz, ajudando ainda a criar e a comunicar uma visão de futuro.

Tesouraria: a importância da formação

À medida que as empresas atribuem novas responsabilidades à função de tesouraria, os profissionais da área devem ser capazes de aprofundar e atualizar os seus conhecimentos.

No ínicio do artigo falámos da importância dos softwares de gestão nos processos empresariais. Nesse seguimento, sabia que mais de 40 mil empresas em todo o mundo recorrem diariamente às soluções PRIMAVERA para otimizarem a gestão do seu negócio?

A par disso, só em Portugal, surgem em média 50 ofertas de emprego por semana em que um dos requisitos básicos é o conhecimento em soluções PRIMAVERA. Os números não mentem, a oferta existe e, para quem procura emprego na área de Tesouraria, esta é uma oportunidade de outro.

Se efetivamente procura emprego na área de tesouraria ou tem pouca ou nenhuma experiência de utilização em software PRIMAVERA, então a Certificação de Utilizadores em Tesouraria da PRIMAVERA Academy é a aposta certa.

Porquê? É simples: a Certificação de Utilizadores em PRIMAVERA garante-lhe o reconhecimento imediato de competências e experiência na área, garantindo-lhe ainda a entrada direta na Bolsa de Utilizadores Certificados acessível às mais de 40 mil empresas que utilizam o software PRIMAVERA e que procuram profissionais capazes de responder às suas necessidades de forma rápida e eficaz.

Certifique-se e garanta o seu lugar no mercado de trabalho!

 

 

Este artigo foi útil?
NãoSim (votos +3, votaram 3, o seu voto ficou registado)
Loading...

Deixar uma resposta