Procura ativa de emprego: o que é?

Quando falamos em procura ativa de emprego, devemos ter em conta dois pontos de vista:

  • O ponto de vista do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e da Segurança Social, em que a procura ativa de emprego constitui uma obrigação para quem está desempregado e usufrui do subsídio de desemprego;
  • O ponto de vista de quem procura emprego, em que a procura ativa de emprego significa o processo de pesquisa de ofertas, submissão de candidaturas, idas a entrevistas de emprego e “repeat”.

Sendo este um conceito tão utilizado no nosso quotidiano (o “estou à procura de emprego” ou “estou desempregado, procuro emprego na minha área” ou até “gostava de mudar de empresa, estou a sondar algumas ofertas”), e tendo em conta a sua banalização, por vezes, é difícil distinguir os dois pontos de vista que referimos no início do artigo.

A seguir, desmistificamos o termo “procura ativa de emprego” distinguindo a obrigação da necessidade.

Procura ativa de emprego: uma obrigação

Para ambas as duas instituições estatais, o IEFP e a Segurança Social, a procura ativa de emprego é um processo pelo qual todos os cidadãos desempregados, inscritos no centro de emprego e a receber o subsídio de desemprego, passam para poder, efetivamente, continuar a receber o benefício financeiro mensal.

O que deve fazer se está na procura ativa de emprego:

  • Responder por escrito a anúncios de emprego (online ou não);  
  • Registar o CV em sites de emprego;  
  • Comparecer a entrevistas de emprego ou seleção;  
  • Enviar candidaturas espontâneas;
  • E outras que pode ter acesso no site do IEFP ou Segurança Social.

O que deve fazer para provar que está na procura ativa de emprego:

  • Guardar sempre o comprovativo do envio de candidaturas espontâneas (sugestão: crie uma pasta ou etiqueta dentro da sua caixa de e-mail e guarde lá todos as candidaturas enviadas);
  • Guardar sempre o comprovativo do envio de candidaturas a ofertas de emprego bem como o anúncio (link e print screen) e datas de publicação e envio de candidatura;
  • Pedir o comprovativo da comparência a entrevistas de emprego à entidade que recruta;
  • Pedir o comprovativo da participação em ações de formação promovidas por entidades externas ao IEFP;
  • Guardar todas as respostas recebidas de entidades empregadoras;
  • E outras que pode ter acesso no site do IEFP ou Segurança Social.

Procura ativa de emprego: uma necessidade

A procura ativa de emprego significa muito mais do que uma “simples” obrigação para com o IEFP e a Segurança Social. Sendo o desemprego a realidade de muitos cidadãos portugueses, a procura ativa de emprego torna-se uma necessidade.

Se procura emprego, eis algumas dicas úteis que pode pôr em prática e ser mais eficaz na sua procura ativa de emprego:

  • Atualize o seu CV: certifique-se que todas as informações são atuais e dê asas à sua imaginação quanto à apresentação. CVs diferentes causam impacto e destacam-se mais!
  • Prepare uma carta de apresentação: experimente personalizar a sua carta de apresentação por cada oferta de emprego a que se candidata. As probabilidades de lhe responderem serão maiores, de certeza!
  • Atualize o seu LinkedIn: atualize o seu perfil, escolha uma fotografia sua que transmita profissionalismo (não é preciso ser demasiado formal), conecte-se a perfis cujos interesses sejam os mesmos que os seus e siga páginas de empresas relacionadas com a sua área profissional.
  • Utilize a sua rede de contactos: faça chegar a mensagem de que procura emprego aos seus amigos, família, ex-colegas de trabalho, etc. Sabia que o passa-a-palavra é a melhor estratégia de promoção de sempre?
  • Invista na sua formação: Ter um curso superior e ter experiência profissional por vezes não basta para sermos selecionados no meio de tantos outros candidatos à procura do mesmo que nós. Ao investir na sua formação está a investir, não só no aumento das suas competências profissionais, como na diferenciação do seu perfil face aos outros. De doutoramentos a workshops, passando por formações e-learning até às formações presenciais, há muitas formas de acrescentar valor a si próprio enquanto profissional.

Invista na sua formação

A formação é um fator bastante importante, não só no início de carreira mas também ao longo do nosso percurso profissional. A aprendizagem e/ou atualização de conhecimentos é fulcral para sermos reconhecidos como profissionais de excelência.

Quando se é um profissional certificado, a credibilidade perante as entidades empregadoras aumenta e as dificuldades em encontrar um novo emprego diminuem. Sabia que a taxa de empregabilidade dos formandos com certificações em PRIMAVERA é de 60%?

Sim, o conhecimento em software PRIMAVERA é uma vantagem competitiva no seu percurso profissional, garantindo-lhe o reconhecimento de competências de um software utilizado por mais de 40 mil empresas espalhadas por todo o mundo.

Invista na sua formação e conheça as certificações de utilizadores em PRIMAVERA.

 

Este artigo foi útil?
NãoSim (votos +2, votaram 1, o seu voto ficou registado)
Loading...

Deixar uma resposta